Intervenção terapêutica com crianças- Conto-terapia e storytelling

“OUVIR O FALAR DAS LETRAS” – PROJETO DE INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA 

CONTO- TERAPIA E STORYTELLING

O “Ouvir o Falar das Letras” – Projeto de intervenção terapêutica com crianças e famílias – é um projeto de acompanhamento continuado de grupos de crianças com alguma problemática desenvolvimental do foro físico, emocional, cognitivo, linguístico ou socio emocional.

Trata-se de um conjunto de sessões onde o livro para a infância é usado como fio condutor de toda a dinâmica. Pretende-se que seja um momento tranquilo, mediado por  um psicólogo com o apoio de um adulto de referência do grupo, onde a palavra surgirá espontaneamente e a tranquilidade no fluir da linguagem e da interpretação das emoções poderá dar às crianças a hipótese de aceder a outras formas comunicacionais e de estimulação à linguagem, podendo, deste modo, aliviar as próprias tensões.

 

Despertando as crianças para o interesse pelo conto narrativo, oferecemos-lhes uma excelente base para um diálogo interior, mediatizado pela história, convidando à ação imaginativa e sensorial, que ecoa e transforma o que é percebido no texto e na imagem que o acompanha. Procura-se, de igual modo, mobilizar a criatividade, a fantasia e o pensamento através da consolidação do verbal utilizando a expressão artística e mediadores de expressão, dinâmicas de grupo, expressão corporal, dramática e fantasias.

Objetivos

– Promover competências essenciais de regulação do comportamento, conhecimento, compreensão das emoções e situações sociais, representações e imagens adequadas de si e dos outros.

– Utilizar o imaginário do simbólico dos livros para a infância como forma de alfabetizar as emoções.

– Estruturar referências reorganizadoras e contentoras, desintoxicadoras das problemáticas emergentes em cada criança.

– Intervir na perturbação do desenvolvimento da linguagem alargando as capacidades de comunicação de crianças através do jogo simbólico e dos livros para a infância.

Objetivos 

– Promover a exploração do livro, de acordo com critérios de seleção bem definidos, enquanto recurso criativo do pensamento, mediador entre as vivências e emoções e a sua livre projeção, associada à capacidade de expressão.

– Mobilizar a criatividade, a fantasia e o pensamento, através de dinâmicas de grupo e de livre expressão (corporal, plástica, emocional) facilitando a comunicação interpessoal, a empatia, a capacidade de autorregular emoções, de as conhecer e interpretar.

– Estimular o autoconhecimento, através da simbologia da narrativa, desenvolvendo competências pessoais e sociais, reforçando a autoestima, o saber ser, saber fazer, saber estar.

– Facilitar as relações intra e interpessoais permitindo o desenvolvimento do sentido de responsabilidade, do respeito pela diferença, potenciando a comunicação assertiva, a gestão de conflitos, a resiliência e a capacidade de negociação.

– Dar um espaço contentor à criança para encontrar representações para os seus receios, bem como oferecer os livros e os contos como um recurso capaz de funcionar como mediador na elaboração de conflitos psíquicos.

– Possibilitar identificações projetivas através dos personagens e âmago da história e permitir a produção de representações intermediárias que possibilitem pensar nos afetos e sentimentos que os sujeitos têm dificuldade em elaborar dentro de si.

Reunião de equipa de técnicos – contextualização da intervenção

Antes de dar inicio à intervenção no grupo terapêutico reúne-se, se assim for possível, a equipa multidisciplinar (coordenadora pedagógica, psicólogos, terapeutas, educadores, professores) com o objetivo de acompanhar as crianças e as suas famílias ao longo de todo um processo de acompanhamento desenvolvimental nas áreas que carecem maior estimulação. Este modelo de funcionamento pressupõe a articulação com os serviços disponíveis no colégio e com todos os recursos humanos em torno da criança e da sua família.

Dinâmica

a) Duração: 1h; Regularidade: Semanal (seria o ideal) ou quinzenal

b) No decorrer da dinâmica é considerado o espaço físico, a disposição do grupo e dos elementos dentro da sala; dinâmica de acolhimento do grupo; momento de mediação de leitura através da conto-terapia ou do storytelling considerando diferentes aspetos fundamentados de todo o processo de mediação e relação grupal, segue-se um momento de expressão e reflexão onde se promove o cruzar do seu próprio interior com o interior do livro. A psicóloga responde às histórias e abordagens da criança com uma linguagem simbólica que ajuda na comunicação, na relação terapêutica. Os elementos patológicos são retidos e transformados em elementos saudáveis e estruturantes. Este é um aspeto delicado que requer uma devolução estruturada, ou seja, “quando os elementos do conto da criança são usados pelo terapeuta, devem respeitar a sua sensibilidade e o impacto que poderá ter o seu uso na estabilidade emocional de cada elemento dentro do grupo”. (Gardner, 1993; p.59), durante a sessão está presente a “Árvore” objeto de pano, simbólico, que cumpre a função de elemento contentor e regulação emocional. A sessão culmina numa reflexão livre com experiências emocionais e afetivas que serão acolhidas através do diálogo e do espaço dado a cada um para se expressar, e o fecho é realizado através de uma caixa individualizada com cariz de envelope contentor de afetos onde cada criança arruma um objeto evocativo.

Temáticas

Os livros explorados têm, através da seleção criteriosa, um conteúdo rico que envolve emoções e valores nem sempre fáceis de abordar no quotidiano. As temáticas estão ligadas ao desenvolvimento socio emocional e são abarcadas consoante as problemáticas emergentes no grupo. Desta forma podem ser alvo de intervenção problemáticas ligadas a dificuldades de comunicação e de relação com o outro, perturbação do desenvolvimento da linguagem, consciencialização de si e das suas emoções, a identidade, o autoconhecimento (corporal e psicológico), a autoestima, o reconhecimento e gestão de emoções e impulsos, enurese, encoprese, as ansiedades e angustias de separação, a autorregulação e autocontrolo, a capacidade de empatizar, de cooperar, participar em relações saudáveis, de fazer amigos, ser capaz de resolver conflitos, avaliar as prováveis consequências das ações e tomar, responsabilizar-se pelas suas decisões, permitir a descoberta de ferramentas pessoais para a gestão da frustração, entre outras.

Com melhores capacidades sociais, relacionais, comunicacionais, também o ambiente familiar, bem como o contexto educativo e social, ficam mais tranquilos, mais positivos e com espaço para a aprendizagem e um desenvolvimento harmonioso.

 

 Público alvo

Crianças de Pré escolar e 1º ciclo com dificuldades referenciadas.

Máximo: 4 crianças por grupo (média de 50€/mês por criança)

 Avaliação

Elaboração de um guião de observação comportamental, acerca das principais dificuldades de cada criança, com análise e readaptação das estratégias de intervenção ao longo do processo e avaliação final.

Conclusão

Este projeto de intervenção terapêutica, através do livro para a infância e de todo o processo de mediação que envolve, possibilita à criança um espaço e tempo para identificar e compreender os afetos, sentimentos e emoções geradores de conflito, assim, abre caminho para elaborações e ressignificações das suas vivencias.

O livro surge com potencialidade de organização do pensamento, no sentido de uma interiorização de soluções em relação às personagens e aos problemas. A narrativa constitui, sem dúvida, um estímulo, um aparelho que permite emergir e transformar a experiência emocional.

As crianças ficam com a noção que as histórias vêm do meio de nós e que são partilháveis com outras crianças, expandem o conhecimento e o desenvolvimento de competências internas para a capacidade de resiliência e de adaptação às problemáticas adjacentes às diferentes etapas do amadurecimento interno emocional, cognitivo e psicossocial.